MANIFESTO OLHO DE TIGRE

Texto sem contexto vira pretexto! Gosto muito desta frase.

1-) Vivemos em um contexto de mundo onde as pessoas tem muito maior longevidade, tanto os homens como as mulheres, o que viabilizou um fenômeno pitoresco: a geração ALFA ou M (de Mobile, nascidos após 2010 – a que mais teve acesso a informação e educação se comparadas as demais) convive com a geração Z (nascidos entre 2000 e 2010 – os que possuem de forma natural a internet e os smartfones, são extremamente antenados, conectados e preocupados com o meio ambiente, sustentabilidade e responsabilidade social) numa mesma ambiência corporativa que detém de membros das demais gerações chamados de Baby Boomers / BB (nascidos 1940 entre 1960 – dotados de padrão de vida estável, preferência por qualidade e não quantidade, sabiam o que queriam, não eram influenciados por terceiros), X (nascidos entre 1960 a 1980 – filhos da geração BB e se caracterizam por serem muito rebeldes para os padrões até então estabelecidos e que rompem com as regras e valores das gerações anteriores, buscam por seus direitos e clamando por liberdade) e Y ou W (nascidos entre 1980 e 2000 – filhos da Geração X, netos da Geração BB e também chamados de geração Millennials por nascerem exatamente na mudança do milênio, estão sempre conectados, preferem computadores a livros, vivem em redes sociais e buscam sempre novas tecnologias).

Esta ambiguidade de influências fez com que adquirissem crenças e valores altamente conflitantes, gerando antagonismos que dificultam a convivência numa ambiência significativamente diferente, onde é provável que mais gente morra por obesidade do que por fome, onde o açúcar vai matar mais no século XXI do que a pólvora matou nos séculos anteriores. Enfim, todos juntos é um desafio e tanto para a convivência.

As evoluções tecnológicas e os novos modelos de negócios impõe a este emaranhado de pessoas extremamente diferentes (coexistindo com diversas gerações) uma lógica atitudinal e eminentemente emocional diametralmente antagônica, a ponto de estabelecer uma demanda que ficou represada na década de 1990, mas que a partir de 2000 emergiu de forma bastante significativa. Refiro-me a demanda de “Inteligência Comportamental”, um termo cunhado pelo amigo e brasileiríssimo Prof. Dr. Jô Furlan que agrupou numa abordagem mais completa incorporando as inteligências Intra e Interpessoais de Howard Gardner (da obra Inteligências Múltiplas e suas decorrências) com a Inteligência Emocional de Daniel Goleman (um resumo simplório do trabalho de Gardner).

Estas ambiências exigem de todos nós um comportamento menos dependente de patrões, que convidam que todos assumam a responsabilidade pela sua sobrevivência de forma muito mais protagonista e menos coadjuvante, muito mais empreendedora e com menos vínculos empregatícios tradicionais. Entretanto esta é uma característica que simplesmente não foi desenvolvida em nenhuma destas gerações e que agora se torna imperioso. Sentimentos como estresse, ansiedade, estafa, baixa de libido, medo de falar em público, sofrimento por antecipação, vergonha, timidez, tristeza, depressão, síndrome de pânico, sudorese excessiva, vermelhidão que aparece na face em situações de exposição, excesso de cobrança por resultados, dores de cabeça, dores no corpo, tensão  muscular, entre muitos outros sintomas começam a aparecer em pessoas cada vez mais próximas da gente, senão for em nós mesmos. Tudo isto gera uma demanda por solução, e rápido, porque o tempo urge!

O problema é que, se a demanda existe a oferta se assoberba, e nesta onda apareceu de tudo, desde os charlatões explícitos que leram um livro (ou alguns) e oferecem programas de desenvolvimento emocional, até os cursos de Formação em Coaching (alguns até com bom conteúdo) que empoderaram alguns “oportunistas sempre de plantão” a se profissionalizarem no atendimento de pessoas com problemáticas de comportamento ou até com disfunções mais sérias, sem qualquer base para tanto. Falta tanto senso de responsabilidade para os que formam estas pessoas (nitidamente despreparadas) como falta responsabilidade para aqueles que se assumem como profissionais do atendimento comportamental. Uma verdadeira avalanche de sensacionalismos que prometem basicamente três coisas com as tais regras mágicas: felicidade, riqueza econômica e sucesso.

2-) Apesar disto nós ainda acreditamos que estas ofertas questionáveis de realismo, de seriedade e até de honestidade, tenham prazo de validade contado, e que a própria seleção natural vai ativar os órgãos competentes para prender quem merece ser preso, para banir quem merece ser banido e para perder seus clientes quando estes perceberem que foram enganados.

Os treinamentos de multidão tão evidentes não podem oferecer a particularidade de circunstância emocional que cada um carrega e precisa que seja considerada para um tratamento adequado; os treinamentos que quebram madeira ou que entortam setas ou que submetem seus participantes a andar por brasas quentes (tudo enganosamente preparado para parecer uma superação de fato) não pode enganar tanta gente por tanto tempo; os cursos que prepararam quaisquer pessoas a se configurarem palestrantes sem que haja nenhum tipo de investigação do talento ou da vocação para tanto, sublimando apenas as cifras que são potencialmente arrecadáveis não devem ir adiante por muito tempo, pois será fácil perceber a inconsistência da promessa. Enfim acreditamos que vender felicidade, riqueza e sucesso não vão perdurar por muito tempo.

3-) Para que isto aconteça é que existe a Olho de Tigre. Queremos nos posicionar como uma real alternativa a tudo isto e prometer apenas uma coisa que substitui com folga todas as promessas existentes no mercado: PLENITUDE (vide conceito completo). Nossa empresa estará posicionada para:

DESENVOLVER COM PLENITUDE O COMPORTAMENTO PROTAGONISTA E EMPREENDEDOR NUMA AMBIÊNCIA DE CULTURA HOLACRÁTICA, OU ASSEMELHADA, QUE TENHA COMO FOCO A INOVAÇÃO (INCREMENTAL E/OU DISRUPTIVA) DE SUA GESTÃO.

Este posicionamento ficará claro em quaisquer trabalhos que estejamos envolvidos cuja premissa estará focada em dois grandes tipos de serviços que ofereceremos, a saber: o MOTDH – Método Olho de Tigre de Desenvolvimento Humano e o MOTMCO – Método Olho de Tigre de Mapeamento da Cultura Organizacional.

MOTDH – Método Olho de Tigre de Desenvolvimento Humano é um método que contém duas vertentes: a) a primeira é a Trilha de Formação em Inteligência Comportamental (FIC) focado no indivíduo que é composto de 4 intervenções atemporais (CDC + CAC + PIC + OLP = Certificação DHBI) e 2 intervenções (Coaching & MentoringImunoterapia Quântica) de acordo com a pertinência; b)a segunda vertente denominada  Desenvolvimento de Líderes de Alta Performance  focado em grupos determinados nas empresas que estejam imbuídas do propósito de melhorar o desempenho protagonista e empreendedor de suas lideranças e de suas forças de vendas que é composto por 4 alternativas que são customizáveis caso a caso (PALESTRAS + WORKSHOPS + CIC + TEAM BUILDING + PROGRAMA DAS 30 LEIS).

MOTMCO – Método Olho de Tigre de Mapeamento da Cultura Organizacional é uma metodologia que contém o Mapeamento, Análise e Desenvolvimento da Cultura Organizacional (MADCO) focado no diagnóstico estruturado da cultura organizacional vigente gerando como decorrência disto uma análise comparativa entre a cultura vigente e a cultura ideal (holacrática) e a entrega do Plano de Intervenção Cultural (PLIC) que tem como foco traçar um projeto completo de alteração de símbolos, sistemas e comportamentos com vistas a gestão da mudança cultural. Para compreender o MADCO temos o Curso de Cultura Organizacional a disposição para ajudar as organizações a compreender todo o complexo trabalho a qual será submetida.

Esperamos poder contribuir com as organizações que trilharão o aperfeiçoamento de sua cultura interna e com as pessoas que estejam no caminho do comportamento empreendedor e protagonista de sua própria vida.

COMPARTILHE